Moralidade Administrativa, um conceito obscuro

  • Leonardo Simchen Trevisan Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Princípios constitucionais, Administração Pública, Moralidade administrativa, Lei de Improbidade Administrativa

Resumo

Este trabalho tem por objeto de estudo o princípio constitucional da moralidade administrativa e a sua materialização mais visível no plano infraconstitucional, a Lei de Improbidade Administrativa (Lei n. 8.429/92). O princípio da moralidade administrativa é analisado quanto ao seu desenvolvimento histórico e seu conteúdo dogmático, tendo-se em conta as tentativas de compreensão e de aplicação desse princípio na doutrina e jurisprudência brasileiras. A Lei de Improbidade Administrativa, por sua vez, é trabalhada em seus aspectos mais importantes, culminando com a análise dos diferentes tipos de atos de improbidade administrativa. O objetivo da investigação é o de contribuir, mediante clareza conceitual, para a melhor compreensão e aplicação do princípio da moralidade.

Referências

ALEXY, Robert. Constitucionalismo discursivo. Tradução de Luís Afonso Heck. 3. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2011.

ÁVILA, Humberto. Teoria dos princípios: da definição à aplicação dos princípios jurídicos. 14. ed. São Paulo: Malheiros, 2013.

BARBOZA, Márcia Noll. O princípio da moralidade administrativa: uma abordagem de seu significado e suas potencialidades à luz da noção de moral crítica. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2002.

BÍBLIA SAGRADA. Tradução dos textos originais, com notas, dirigida pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma. São Paulo: Paulinas, 1967.

BITENCOURT NETO, Eurico. Improbidade administrativa e violação de princípios. Belo Horizonte: Del Rey, 2005.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2020]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 25 mar. 2021.

BRASIL. Decreto-Lei n. 2.848, de 07 de dezembro de 1940. Código Penal. Brasília, DF: Presidência da República, [2019a]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del2848.htm. Acesso em: 25 mar. 2021.

BRASIL. Lei n. 4.717, de 29 de junho de 1965. Lei da Ação Popular. Brasília, DF: Presidência da República, 1965. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l4717.htm. Acesso em: 25 mar. 2021.

BRASIL. Lei n. 8.429, de 02 de junho de 1992. Lei de Improbidade Administrativa (1992). Brasília, DF: Presidência da República, [2019b]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8429.htm. Acesso em: 25 mar. 2021

BRASIL. Lei n. 9.784, de 29 de janeiro de 1999. Regula o processo administrativo no âmbito da Administração Pública Federal. (1999). Brasília, DF: Presidência da República, 1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9784.htm. Acesso em: 25 mar. 2021

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. (2. Turma). AgRg no REsp 1382920/RS. Processo civil administrativo. Improbidade administrativa. Competência da Justiça Federal de primeiro grau. Precedentes. Nulidade do processo não demonstrada. Relator: Min. Humberto Martins. Brasília, 05 de dezembro de 2013. Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/24815173/agravo-regimental-no-recurso-especial-agrg-no-resp-1382920-rs-2013-0118082-7-stj. Acesso em: 25 mar. 2021.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Tribunal Pleno. ADI 3026/DF. Ação direta de inconstitucionalidade. § 1 do artigo 79 da Lei n. 8906 Relator: Min. Eros Grau. Brasília, 08 de junho de 2006. Disponível em: https://stf.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/760367/acao-direta-de-inconstitucionalidade-adi-3026-df/inteiro-teor-100476532. Acesso em: 25 mar. 2021.

DECOMAIN, Pedro Roberto. Improbidade administrativa. São Paulo: Dialética, 2007.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 26. ed. São Paulo: Atlas, 2013.

FRANCO SOBRINHO, Manoel de Oliveira. O princípio constitucional da moralidade administrativa. Curitiba: Genesis, 1993.

FREITAS, Juarez. O controle dos atos administrativos e os princípios fundamentais. 4. ed. São Paulo: Malheiros, 2009.

FREITAS, Juarez. O princípio jurídico da moralidade e a lei de improbidade administrativa. In: BACELLAR FILHO, Roberto Felipe (coord.). Direito Administrativo Contemporâneo: Estudos em Memória do Professor Manoel de Oliveira Franco Sobrinho. Belo Horizonte: Fórum, 2004.

GARCIA, Emerson; ALVES, Rogério Pacheco. Improbidade administrativa. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

GIACOMUZZI, José Guilherme. A moralidade administrativa e a boa-fé da administração Pública: o conteúdo dogmático da moralidade administrativa. São Paulo: Malheiros, 2002.

JUSTEN FILHO, Marçal. Curso de direito administrativo. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2006.

MAFFINI, Rafael. Direito administrativo. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006.

MARTINS JÚNIOR, Wallace Paiva. Probidade administrativa. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

MEDAUAR, Odete. Direito administrativo moderno. 12. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito administrativo brasileiro. 38. ed. São Paulo: Malheiros, 2012.

MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de direito administrativo. 29. ed. São Paulo: Malheiros, 2012.
OSÓRIO, Fábio Medina. Teoria da improbidade administrativa: má gestão pública, corrupção, ineficiência. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010.

RIO GRANDE DO SUL. Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul. Quarta Câmara Criminal. HC 696803550. Processo crime. Prefeito Municipal. Ação de improbidade administrativa. Competência do Tribunal de Justiça para aplicar as sanções penais ali previstas. Relator: Luiz M. U. Machado. Porto Alegre, 17 de dezembro de 1996. Disponível em: https://tj-rs.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/9266221/habeas-corpus-hc-696803550-rs-tjrs. Acesso em: 25 mar. 2021.

SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 32. ed. São Paulo: Malheiros, 2009.
Publicado
2021-05-24
Como Citar
SIMCHEN TREVISAN, L. Moralidade Administrativa, um conceito obscuro. Atuação: Revista Jurídica do Ministério Público Catarinense, v. 16, n. 34, p. 30-64, 24 maio 2021.
Seção
Artigos