O princípio do peculiar estado da pessoa em desenvolvimento e o caráter pedagógico das medidas socioeducativas em face da redução da maioridade penal

  • Cristina Maiko Oishi do Amaral Campos Okuma Universidade Estadual de Londrina
  • Daniela Bonassa Universidade Anhanguera - Uniderp
  • Gabriel Cavalcante Cortez Universidade Estadual de Londrina https://orcid.org/0000-0002-9082-9300
  • Clarissa Gaspar Massi Universidade Estadual de Londrina
Palavras-chave: Infância, Juventude, Maioridade penal, Medidas socioeducativas, Peculiar estado da pessoa em desenvolvimento

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo analisar a efetividade do caráter pedagógico das medidas socioeducativas aplicadas na Lei n. 8.069/1990, conhecida como Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), em detrimento da maioridade penal. Aplica-se a metodologia pautada no método hipotético-dedutivo e na revisão bibliográfica legislativa e doutrinária. Objetiva-se perquirir o arcabouço histórico, valendo-se do antigo Código de Menores ao atual ECA e, em conjunto com as condições biopsicossociais, afirmar que a redução da maioridade penal é uma falácia sem qualquer efetividade. Após, tecem-se considerações a respeito dos princípios norteadores, em especial o peculiar estado da pessoa em desenvolvimento. O desenvolvimento biopsicossocial da criança e do adolescente implica na utilização de medidas socioeducativas para educar os jovens que cometem atos análogos a infrações penais, os chamados atos infracionais, contendo caráter pedagógico e sancionatório. As características peculiares das crianças e dos adolescentes rechaçam a possibilidade de redução da maioridade penal, visto que não há a formação necessária para a compreensão do ato e de suas consequências fáticas e jurídicas pelo jovem infrator, além de corresponder à cláusula pétrea prevista na Constituição Federal de 1988. A situação de vulnerabilidade social e o contexto ambiental do jovem são fatores determinantes para suas escolhas, dentre elas a prática de ato infracional e, em razão de sua condição peculiar em desenvolvimento e sua própria dignidade, suas ações e omissões devem ser julgadas com base na sua capacidade mental, a qual está em constante alteração, sem cientificidade na mudança no sistema etário de inimputabilidade penal.

Referências

AMIN, Andréa Rodrigues. Evolução história do direito da criança e do adolescente. In: MACIEL, Kátia Regina Ferreira Lobo Andrade (coord.). Curso de direito da criança e do adolescente: aspectos teóricos e práticos. 12. ed. São Paulo: Saraiva, 2019a.

AMIN, André Rodrigues. Dos direitos fundamentais. In: MACIEL, Kátia Regina Ferreira Lobo Andrade (coord.). Curso de Direito da Criança e do Adolescente: aspectos teóricos e práticos. 12. ed. São Paulo: Saraiva, 2019b.

ARANTES, Esther Maria de M. Sobre as propostas de redução da maioridade penal. In: Conselho Federal de Psicologia. Redução da idade penal: socioeducação não se faz com prisão. Brasília: CPF, 2013. Disponível em: https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2013/08/Redu%C3%A7%C3%A3o-da-Maioridade-Penal-Socioeduca%C3%A7%C3%A3o-n%C3%A3o-se-faz-com-pris%C3%A3o-27.08.pdf#page=11. Acesso em: 5 abr. 2021.

BARROS, Fernanda Otoni de. Tô fora: o adolescente fora da lei – o retorno da segregação. Belo Horizonte: Del Rey, 2003.

BARROS, Guilherme Freire de Melo. Estatuto da Criança e do Adolescente. 10. ed. Salvador: Juspodivm, 2016.

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça. Regras de Pequim: regras mínimas das Nações Unidas para a administração da justiça de menores. Série Tratados Internacionais de Direitos Humanos. CNJ, 2016. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/2019/09/2166fd6e650e326d77608a013a6081f6.pdf. Acesso em: 4 abr. 2021.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2020]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 26 abr. 2020.

BRASIL. Decreto n. 99.710, de 21 de novembro de 1990. Promulga a Convenção sobre os Direitos da Criança. Brasília: DF, Presidência da República, [1990]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990-1994/D99710.htm. Acesso em: 26 abr. 2020.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília: DF, Presidência da República, [2019]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acesso em: 26 abr. 2020.

BRASIL. Lei n. 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Brasília: DF, Presidência da República, [2002]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10406.htm. Acesso em: 26 abr. 2020.

BRASIL. Lei n. 12.594, de 18 de janeiro de 2012. Institui o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase), regulamenta a execução das medidas socioeducativas destinadas a adolescente que pratique ato infracional. Brasília: DF, Presidência da República, [2012]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12594.htm. Acesso em: 26 abr. 2020.

BRASIL. Lei n. 13.105, de 16 de março de 2015. Código de Processo Civil. Brasília: DF, Presidência da República, [2015]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13105.htm. Acesso em: 21 mar. 2021.

CIARALLO, Cynthia Rejanne Correa Araujo; ALMEIDA, Ângela Maria de Oliveira. Conflito entre práticas e leis: a adolescência no processo judicial. Revista de Psicologia, v. 21, n. 3, p. 613-630, set./dez. 200. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/fractal/v21n3/14.pdf. Acesso em: 16 mar. 2021.

DIGIÁCOMO, Murillo José; DIGIÁCOMO, Ildeara de Amorim. Estatuto da criança e do adolescente anotado e interpretado. 8. ed. Ministério Público do Estado do
Paraná. Centro de Apoio Operacional das Promotorias da Criança e do Adolescente. Curitiba: Associação Paranaense do Ministério Público, 2020.

EISENSTEIN, Evelyn. Adolescência: definições, conceitos e critérios. Revista Adolescência e Saúde – Núcleo de Estudos da Saúde do Adolescente da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 6-7, abr./jun. 2005. Disponível em: http://adolescenciaesaude.com/detalhe_artigo.asp?id=167. Acesso em: 4 abr. 2021. ISSN: 2177-5281.

FRANCISCHINI, Rosângela. Direitos da criança e do adolescente: a legislação e a educação. Revista Educ. Foco, Juiz de Fora, v. 15, n. 1, p. 29-36, 2010. Disponível em: https://www.ufjf.br/revistaedufoco/files/2011/05/Artigo-02-15.1.pdf. Acesso em: 18 mai. 2021.

FULLER, Paulo Henrique Aranda; DEZEM, Guilherme Madeira; MARTINS, Flávio. Estatuto da Criança e do Adolescente: difusos e coletivos. 3. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013.

GOMES, Luiz Flávio; BIANCHINI, Alice. A maioria e a maioridade penal. Paraná: Ministério Público do Estado do Paraná, 30 de jul. de 2007. Disponível em: https://crianca.mppr.mp.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=264. Acesso em: 5 abr. 2021.

GONÇALVES, Rosa Maria Dognani Bernardo. As medidas socioeducativas do ECA e a reincidência da delinquência juvenil. 2012. 51 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Direito) – Faculdade de Ciências Jurídicas da Universidade Tuiuti do Paraná, Curitiba, 2012. Disponível em: https://tcconline.utp.br/wp-content/uploads/2012/09/AS-MEDIDAS-SOCIOEDUCATIVAS-DO-ECA-E-A-REINCIDENCIA-DA-DELINQUENCIA-JUVENIL.pdf. Acesso em: 16 mar. 2021.

ISHIDA, Válter Kenji. Estatuto da Criança e do Adolescente: doutrina e jurisprudência. 20. ed. Salvador: Juspodivm, 2019.

JACQUES, Luciana Gomes de Lima. Medidas socioeducativas em meio aberto em
Guaíba: entre pressupostos e significados. 2015. 198 f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015. Disponível em: http://repositorio.pucrs.br/dspace/bitstream/10923/7194/1/000467149-
Texto%2bCompleto-0.pdf. Acesso em: 23 mar. 2021.

LIBERATI. Wilson Donizete. O Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília: IBPS, 1991.
MAIOR NETO, Olympio de Sá Sotto. Sim à garantia para a infância e juventude do exercício dos direitos elementares da pessoa humana. Não à diminuição da imputabilidade penal. Educar em Revista, Curitiba, v. 15, n. 15, p. 1-6, jan./dez. 1999. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/educar/article/view/2058. Acesso em: 5 abr. 2021.

OLIVEIRA, Assis da Costa. Princípio da pessoa em desenvolvimento: fundamentos, aplicações e tradução intercultural. Revista Direito e Práxis, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 60-83, 2014. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistaceaju/article/view/10590. Acesso em: 8 maio. 2020.

ORGANIZAÇÃO NACIONAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal dos Direitos do Homem, 1948. Disponível em: https://siteantigo.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/direito/declaracao-universal-dos-direitos-do-homem-1948/21858. Acesso em: 8 maio. 2020.

ORGANIZAÇÃO NACIONAL DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração dos Direitos da Criança, 1959. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/convencao-sobre-os-direitos-da-crianca. Acesso em: 8 maio. 2020.

PARANÁ. Cadernos do Instituto de Ação Social do Paraná. Compreendendo o adolescente. Curitiba, 2006.

PINHEIRO, Luciana de Araujo. O “magistrado paternal”: o juiz Mello Mattos e a assistência e proteção à infância (1924-1933). 2014. 231 f. Tese (Doutorado em História das Ciências e da Saúde) – Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde da Casa de Oswaldo Cruz – Fiocruz, Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/17808. Acesso em: 18 mai. 2021.

RAMIDOFF, Mário Luiz. Redução da idade de maioridade penal. Revista do Instituto do Direito Brasileiro da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Lisboa, v. 2, n. 11, 2013. Disponível em: https://www.cidp.pt/revistas/ridb/2013/11/2013_11_12961_12994.pdf. Acesso em: 6 abr. 2021.

RIZZINI, Irene. O século perdido: raízes históricas das políticas públicas para a infância no Brasil. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

ROSSATO, Luciano Alves; LÉPORE, Paulo Eduardo; CUNHA, Rogério Sanches. Estatuto da Criança e do Adolescente: comentado artigo por artigo. 11. ed. São Paulo: Saraiva, 2019.

SANTA CATARINA. Ministério Público do Estado de Santa Catarina. Centro de Apoio Operacional da Infância e Juventude. Manual do Promotor de Justiça da Infância e Juventude. 3. ed. Florianópolis: MPSC, 2013.

SEBASTIÃO, Jurandir. Responsabilidade médica civil, criminal e ética: legislação positiva aplicável. Belo Horizonte: Del Rey, 1998.

SILVA, Enid Rocha Andrade; OLIVEIRA, Raissa Menezes de. O adolescente em conflito com a lei e o debate sobre a redução da maioridade penal: esclarecimentos necessários. Nota técnica nº 20. Brasília: IPEA, jun., 2015. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/5696/1/NT_n20_Adolescente-conflito_Disoc_2015-jun.pdf. Acesso em: 5 abr. 2021.

TAVARES, Patrícia Silveira. As medidas de proteção. In: MACIEL, Kátia Regina Ferreira Lobo Andrade (coord.). Curso de direito da criança e do adolescente: aspectos teóricos e práticos. 12. ed. São Paulo: Saraiva.

UNICEF. Fundo das Nações Unidas para a Infância. Em defesa do adolescente: protagonismo das famílias na defesa dos direitos dos adolescentes em cumprimento de medidas socioeducativas. Cartilha da Unicef. São Paulo, 2008. Disponível em: http://bibliotecacrescersemviolencia.org/pdf/4_programa_socioeducativo/D17_Em_defesa_do%20adolescente_Protagonismo_das_familias_na_defesa_dos_adolescentes_AMAR.pdf. Acesso em: 7 mai. 2020.
Publicado
2021-05-24
Como Citar
OKUMA, C.; BONASSA, D.; CAVALCANTE CORTEZ, G.; MASSI, C. O princípio do peculiar estado da pessoa em desenvolvimento e o caráter pedagógico das medidas socioeducativas em face da redução da maioridade penal. Atuação: Revista Jurídica do Ministério Público Catarinense, v. 16, n. 34, p. 277-312, 24 maio 2021.
Seção
Artigos