O reconhecimento da agravante da reincidência quando não alegada no plenário do Tribunal do Júri

  • Paulo Henrique Lorenzetti da Silva Ministério Público de Santa Catarina
Palavras-chave: Processo Penal, Tribunal do Júri, Agravante, Reincidência

Resumo

A Lei n. 11.689/2008, que alterou o rito do Tribunal do Júri, no que tange à prolação da sentença, após os debates no plenário, trouxe nova redação ao artigo 492 do Código de Processo Penal, nos seguintes termos: “Em seguida, o presidente proferirá sentença que: I – no caso de condenação: [...] b) considerará as circunstâncias agravantes ou atenuantes alegadas nos debates”. Todavia, na fase de preparação do processo para o julgamento em plenário (art. 422 do Código de Processo Penal), a acusação e a defesa, no prazo de cinco dias, podem requerer diligências. Nessa etapa processual, via de regra, o Ministério Público requer a certificação dos antecedentes criminais do réu, a fim de demonstrar nos autos a reincidência. Já em plenário, durante a fase de debates, a acusação, representada pelo Ministério Público, expõe aos jurados as provas relativas à materialidade e à autoria do fato, além de refutar as teses defensivas e demonstrar a existência, quando for o caso, das qualificadoras do crime. Dessa forma, este trabalho analisa a possibilidade ou não de aplicação da agravante da reincidência, caso tal circunstância não tenha sido alegada durante os debates. A questão é controversa na jurisprudência catarinense, razão pela qual é necessário debater o tema.

Referências

BRASIL. Decreto-Lei n. 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Código Penal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del2848compilado.htm. Acesso em 15 de janeiro de 2018.

BRASIL. Decreto-Lei n. 3.689, de 3 de outubro de 1941. Código de Processo Penal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del3689Compilado.htm. Acesso em 15 de janeiro de 2018.

BRASIL. Lei n. 7.210, de 11 de julho de 1984. Lei de Execuções Penais. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L7210.htm. Acesso em 9 de janeiro de 2018.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial n. 1.097.649/RS. Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze. Brasília, DF. 9 de setembro de 2013a. Disponível em: https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/24160395/recurso-especial-resp-1097649-rs-2008-0236600-4-stj. Acesso em 16 de janeiro de 2018.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. AgRg no Habeas Corpus n. 377.356/SP. Rel. Min. Sebastião Reis Júnior. Brasília, DF. 8 de fevereiro de 2018. Disponível em: http://www.stj.jus.br/SCON/jurisprudencia/toc.jsp?livre=reincid%EAncia+condena%E7%F5es+bis+in+idem&&b=ACOR&thesaurus=JURIDICO&p=true. Acesso em 26 de fevereiro de 2018.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Recurso Extraordinário n. 453.000. Rel. Min. Marco Aurélio. Brasília, DF, 3 de outubro de 2013b. Disponível em: http://stf.jus.br/portal/jurisprudencia/listarJurisprudencia.asp?s1=%28RE%24%2ESCLA%2E+E+453000%2ENUME%2E%29+OU+%28RE%2EACMS%2E+ADJ2+453000%2EACMS%2E%29&base=baseAcordaos&url=http://tinyurl.com/aw9ajbw. Acesso em 15 de janeiro de 2018.

CUNHA, Rogério Sanchez. Manual de Direito Penal: parte geral (arts. 1º a 120). 5. ed. Salvador: JusPodivm, 2017.

GRECO, Rogério. Código Penal: comentado. 11. Ed. Niterói: Impetus, 2017.

LIMA, Renato Brasileiro. Manual de Processo Penal. 5. Ed. Salvador: JusPodivm, 2017.

MENDES JÚNIOR, Cláudio. Sentença Penal e Dosimetria da Pena: teoria e prática. Curitiba: Juruá, 2014.

NUCCI, Guilherme de Souza. Código de Processo Penal comentado. 16. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2017.

SANTA CATARINA. Tribunal de Justiça. Apelação Criminal n. 0000440-84.2015.8.24.0047. Rel. Des. Carlos Alberto Civinski. Florianópolis, 1º de março de 2016a. Disponível em: http://busca.tjsc.jus.br/jurisprudencia/#resultado_ancora. Acesso em 21 de janeiro de 2018.

SANTA CATARINA. Tribunal de Justiça. Apelação Criminal n. 0002041-92.2016.8.24.0079. Rel. Des. Carlos Alberto Civinski. Florianópolis, 31 de agosto de 2017a. Disponível em: http://busca.tjsc.jus.br/jurisprudencia/#resultado_ancora. Acesso em 21 de janeiro de 2018.

SANTA CATARINA. Tribunal de Justiça. Apelação Criminal n. 0000218-70.2016.8.24.0051. Rel. Des. Salete Silva Sommariva. Florianópolis, 24 de março de 2017b. Disponível em: http://busca.tjsc.jus.br/jurisprudencia/#resultado_ancora. Acesso em 21 de janeiro de 2018.

SANTA CATARINA. Tribunal de Justiça. Apelação Criminal n. 0000090-57.2014.8.24.0039. Rel. Des. Moacyr de Moraes Lima Filho. Florianópolis, 31 de janeiro de 2017c. Disponível em: http://busca.tjsc.jus.br/jurisprudencia/#resultado_ancora. Acesso em 21 de janeiro de 2018.

SANTA CATARINA. Tribunal de Justiça. Apelação Criminal n. 0018180-79.2014.8.24.0018. Rel. Des. Jorge Schaefer Martins. Florianópolis, 25 de novembro de 2016b. Disponível em: http://busca.tjsc.jus.br/jurisprudencia/#resultado_ancora. Acesso em 21 de janeiro de 2018.
Publicado
2020-12-03
Como Citar
DA SILVA, P. H. O reconhecimento da agravante da reincidência quando não alegada no plenário do Tribunal do Júri. Atuação: Revista Jurídica do Ministério Público Catarinense, v. 15, n. 33, p. 17-34, 3 dez. 2020.
Seção
Artigos